sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Oração

A oração é a única porta para o autoconhecimento genuíno. É também a principal maneira de experimentarmos profunda transformação — a reordenação dos nossos afetos.
A oração é o modo pelo qual Deus nos concede muitas das coisas inimagináveis que tem para nós. Aliás, do ponto de vista de Deus, a oração confere confiabilidade para que ele nos dê muitas das coisas que mais desejamos. É a maneira de conhecermos a Deus, o caminho para, enfim, tratá-lo como Deus.
A oração nada mais é que a chave para tudo o que necessitamos fazer e ser na vida. Devemos aprender a orar. Temos de aprender.
Tim Keller
Fonte: site Teologia Brasileira.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

No último ano de enfermagem, estudante vive nas ruas de SP e busca emprego

O estudante Alderico Ferreira de Jesus, 57 anos, cola grau em enfermagem no próximo dia 28. Baiano de Salvador, ele tem uma história que facilmente poderia se encaixar na de tantos migrantes nordestinos que tentaram a sorte em São Paulo. Chegou em 1985 à cidade, onde já trabalhou como metalúrgico, padeiro e servente de pedreiro. Concluiu o ensino médio na capital paulista, tentou passar em vestibulares de universidades públicas – o sonho era a USP (Universidade de São Paulo) --, mas não conseguiu.
Entre estudos e trabalho, Alderico conseguiu uma vaga em universidade privada graças ao Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior). Mas acabou demitido no final do curso e, sem condições de pagar o aluguel,  acabou despejado da pequena casa onde vivia em São Miguel Paulista, no extremo leste paulistano, e passou a recorrer a albergues e casas de apoio.
Na semana passada, a história dele foi postada no Facebook, como um pedido de ajuda – ajuda na forma de emprego, não de dinheiro – pelo padre Júlio Lancelotti, antigo militante na área de direitos humanos em São Paulo. Com uma foto e um "SOS emprego", o religioso foi direto nas palavras: "O Alderico, de 57 anos, está no último ano de enfermagem e em situação de rua. Necessita trabalhar para ter autonomia e exercer sua profissão."
"Ele precisa trabalhar para juntar dinheiro e pagar a inscrição no Coren [Conselho Regional de Enfermagem] quando se formar – só então poderá exercer a profissão. Dentro desse sistema em que vivemos, gente como ele é tratada como um nada, ainda que tenha qualificação. Precisamos dar a eles uma resposta mais humana e praticar a compaixão, ainda mais a uma pessoa que se dispôs a cuidar do outro", declarou Lancelotti ao UOL.
"Não quero ficar parado, quero chegar mais longe. Quero ter a minha vida, livre, e pelo meu esforço", diz o estudante.
Leia, abaixo, o depoimento de Alderico à reportagem.
*
Cheguei em São Paulo em 1985 para trabalhar. Fiz um pouco de tudo: fui metalúrgico, padeiro, servente de pedreiro. Eu tinha até a 5ª série na Bahia; acabei de estudar aqui, sempre em escola pública, e prestei vários vestibulares para tentar entrar na USP. Mas nunca tive uma nota legal o suficiente. Da última vez, tentei biologia.
Entrei na Uniesp para cursar enfermagem há cinco anos. A colação de grau é dia 28 deste mês. Consegui estudar lá graças ao Fies, eu e vários alunos da minha sala. Sei que, uns anos depois de formado e trabalhando, vou ter que pagar o curso – tenho esperança de que as coisas até lá melhorem.
Eu trabalhava como agente de rua [no acolhimento, com encaminhamento para serviços públicos, de pessoas em situação de rua] na Bompar [entidade filantrópica que tem parceria com a Pastoral do Menor, da Igreja Católica, e convênios com a Prefeitura]. Depois de sete anos, fui demitido. Levei até onde dava, com o dinheiro do acerto, procurei outros empregos, mas não consegui me recolocar – até que o dinheiro acabou e não consegui mais pagar o aluguel de casa. Fiquei duro, teve dias em que nem dinheiro para me alimentar eu tinha. Depois de cinco meses sem pagar, fui despejado.
Hoje eu estou desempregado. Fiquei um tempo na casa de amigos, tentei morar com uma irmã que vive em Guaianases (também na zona leste), mas, sem conseguir emprego, ficou difícil eu continuar lá. Isso é complicado, moça.
Estou em um equipamento social, um albergue, onde durmo, e de onde, de manhã, saio para procurar emprego. Quero um trabalho, seja ele qual for. Trabalhando eu me arranjo em algum lugar para morar, pago meu Coren [que custa pouco mais de R$ 260] e fico apto a exercer a enfermagem.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Missões no poder e na direção do Espírito Santo

A realização da obra missionária não é algo que deva se fundamentar e confiar na capacidade humana e em planejamentos estratégicos desassociados do poder e da direção do Espírito. Qualquer tentativa de cumprir a missão sem a cooperação de Deus resultará em fracasso e frustração.

Antes de iniciar a sua missão, o próprio Senhor Jesus foi revestido do poder do Espírito:

[...] e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como uma pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és meu Filho amado; em ti me tenho comprazido. (Lc 3.22).

O poder e a direção do Espírito como elementos essenciais no cumprimento da missão e notório também no ministério do apóstolo Paulo. Ele é escolhido pelo Senhor para pregar aos gentios, aos reis e perante os filhos de Israel (At 9.15), mas antes precisaria ser cheio do Espírito Santo, e isso implica em desfrutar do poder deste Espírito (At 9.17).

No poder e na direção do Espírito a missão prosperará em seus objetivos para a glória de Deus!

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Igreja usa dízimos para construir abrigos para moradores de rua.

Igreja usa dízimos para construir abrigos para moradores de rua https://noticias.gospelprime.com.br/igreja-dizimos-construir-abrigos-sem-teto/?utm_source=twitter&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar
^
Fé Para Viver © 2011 | Layout por Kakau com Limão.